Site Meter

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Se fosse eu

Ora, se eu fosse a própria da Kate, cintura, cabelos e tudo, e tivesse já não o rei na barriga, mas sim nos braços, e  andasse a passeá-lo pelos Antípodas, o que lhe vestiria eu, depois da colherada que meti aqui?

Se todas as perguntas na vida fossem tão fáceis de responder...


Fofo DOT, para o friozinha da Nova Zelândia.


Tapa fraldas Piupiuchick, para um momento de descontração

Laranjinha, em branco puro


Ma Petite Princesse, para visitar os cangurus e koalas!

Maria Bianca, para momentos de ternura com sua maman...

Ficaria ou não ainda mais amoroso?!
Kate, estamos combinadas!

Etiqueta de parquinho infantil

Quando vamos para um parquinho brincar, eu deixo o Pedro sempre muito livre e solto, concordo completamente com este texto e por isso deixo-o muito à vontade. Ele faz amigos instantaneamente, trata-os a todos por Menino ou Menina e quer é brincar muito.
Se tenho de podar a brincadeira, é para  o impedir de abalroar os outros ou melgar os mais velhos (que tendem a ter muita pachorra para ele, são sempre muito queridos) ou de sair disparado com a bola dos outros, deixada incauta pelo chão. Ou ainda para lhe amparar as lágrimas quando se magoa, o que acontece sempre, pelo menos uma vez. Mas ele é rijo.

Pelo contrário, enerva-me profundamente aqueles pais que estão sempre de volta dos miúdos, que não os deixam em paz, sempre a gritar recomendações e cuidados. Atrapalham-nos. Cortam-lhes a brincadeira, o raciocínio, a dinâmica de grupo. Os miúdos não lhes ligam nenhuma, de tanto os ouvir. Como nós não estamos sempre a chamar pelo Pedro, quando o fazemos, ele até vai ouvindo à primeira. Excepto quando está a fazer ouvidos moucos, uma péssima mania que tem tolerância ZERO, já tem ficado de castigo à conta dessa brincadeira, espero que lhe passe rapidamente...

Enfim, pais melguentos são muito chatos para os miúdos. E para mim também.
São melguentos para mim, em primeira linha, porque tenho de estar a levar com eles nas brincadeiras que são partilhadas com o meu filho. Desamparem a loja aos putos, afastem-se!
Mas também são chatos porque às tantas me põem a pensar que provavelmente eles estão a pensar que a mãe "deste menino" (o meu), "quem quer que ela seja" (porque não estou à vista assim à primeira) está-se a marimbar para a pobre ou selvagem criança que anda por ali a correr feita maluca e desamparada (a minha). Ou o meu filho passa por coitadinho ou por selvagem, mas eu sempre passo por mãe ausente. Nunca me livro dos olhares de "Até que enfim!" quando finalmente entro em cena. E lá me sinto eu mal porque não estou a dar a devida assistência ao meu menino, ou porque pior, o meu menino meteu-se com o menino ultra velado e até lhe está a falar e a desafiar para a brincadeira e tudo.

Juro que mais vezes vou ter com o Pedro para mostrar aos paizinhos extremosos que o meu Mogli também tem pais e que eles estão atentos, do que por ser verdadeiramente preciso. Tenho que me deixar destas peneiras, pesam-me as pernas.

quarta-feira, 16 de abril de 2014

Brilhar no escuro

Quando eu era pequena tínhamos no nosso quarto. Agora, também o Pedro já tem e adorou. Eu tinha uma constelação no tecto. Ele tem um pequeno exército de insectos parede acima, a fazer-lhe companhia no sono. São os seus novos bichinhos de estimação, adorou!


É mesmo das coisinhas mais encantadoras que podemos ter no escurinho do nosso quarto. Sim, no dos miúdos e no nosso também. Aliás, tenho um conjunto oferecido pelo meu então namorado que já mudou de parede duas vezes e ainda não voltou a fazer parte da nossa parede actual, imperdoável! 
Uma surpresa tão barata, tão simples, tão eficaz, tão especial ***

Pequeno Príncipe George

Não se aguenta tanta fofura!!
O pequeno George é muito querido, um vivaço bem disposto, quase quaaaase tão giro quanto o meu baby M. Tenho dito.
Mais, se ele fosse vestido por qualquer das marcas portuguesas que têm propostas tão giras, ele estaria ainda mais adorável! Kate fofa, nós sabemos que está a apoiar as marcas inglesas de roupinhas infantis e tal e coisa, MAS deste lado do Pond há propostas ainda mais queridas! Venha ver!

§ Se conseguimos enraizar naquelas bandas chá e vinho tinto, ora agora está na hora da baby fashion! §

Parte I da primeira viagem do pequeno príncipe George, neste post, à Nova Zelândia.








Fofos e calções de peito, com golinhas redondas e meia curta. Nada que saber, clássico até à medula.
 E agora, segue-se a Austrália. Será que o bom tempo vai trazer mais passeios?




AS MARAVILHAS DA MATERNIDADE

 { Facebook }  { Instagram }  { Pinterest }

O sol abriu

E fomos fazer fotossintese, como todos os outros portugueses. Já tínhamos todos saudades! Apesar de dizerem que entretanto as temperaturas vão baixar AGAIN, para já, para já, o tempo está maravilhoso.
Com este Inverno tão rigoroso e início de Primavera deplorável, parece que até já tinha esquecido do bom tempo que é suposto fazer em Portugal nesta altura do ano - e em todas as outras alturas, já agora.

Agora sim, nada como a verdadeira chegada da Primavera para me lembrar porque é esta a minha estação preferida do ano. É nestes tempos que mais vezes me acontece pôr um pé na rua e sentir
m a r a v i l h a  por todos os poros.

É aquela sensação primeira que se sente por uma fração de segundo, aquela primeira impressão assim que se sai. Depois pode passar, mas é aquele primeiro choque térmico
Mais uns graus e eu levo sempre com a parede de calor, menos uns graus e o frio é desagradável. Mas na Primavera, há imensos dias de   m a r a v i l h a   por todos os poros, de equilíbrio perfeito. Isso, além de ser revigorante ver as florzinhas a despontar, os passarinhos a chilrear, a mudança de horário... é todo um poema! No nosso carro pequenito, o das voltinhas rotineiras na cidade, é sempre Primavera, eu nunca me dou ao trabalho de mudar a hora por lá, é sempre primavera. E é por isso que a Primavera é a minha estação preferida do ano, é mesmo a que me faz sentir melhor.

***

Entretanto, eu devia receber uma medalha por gerar dois novos seres humanos neste mundo, criá-los para serem cidadãos activos e integrados, e conseguir tirá-los de casa para aproveitar a natureza!
A sério, ter o baby a chorar desalmadamente desde o momento em que lhe visto o casaco até o momento em que saímos de casa faz-me questionar isto de "sair para descontrair", de tão stressada que fico! 

terça-feira, 15 de abril de 2014

Os manos

Este Sábado comemorámos mais um ano da prima mais crescida do mundo, numa festinha cheia de sol e boa disposição, mesmo a combinar com a alegria da Rica Sobrinha I (quem vem dos primórdios do blog lembra bem...) e eu pude finalmente estrear um pouco de primavera/verão a valer!


O Miguel vestiu um fofo lindo, alegre e fresquinho da Ma Petite Princesse, que está com uma loucura de coleção este ano, aliando aos modelos delicados e suaves que são seu ex libris, propostas mais divertidas e coloridas. Eu que adoro esta cor entre o salmão e o morango fiquei super contente por ter o meu baby neste tom que fica tão bem a meninos como meninas. Amei, não deixem de conhecer toda a colecção, a querida Ana está de parabéns!

 Num coordenado óbvio ma non tropo, o Pedro puxou aos tons do maninho nos azuis, mas sobretudo no cherry apetitoso dos calções da mais deliciosa marca novinha em folha no pedaço, a maravilhosa Cherry Papaya. A cor é linda linda linda, fica super bem em qualquer tom de pele, levanta imediatamente o astral e o Pedro (que felizmente não apita no que veste...) esteve super confortável e fresquinho, que é o que mais lhe interessa.


Duas marcas bem portuguesas de duas queridas almas empreendedoras e fazedoras de coisas boas e giras, tão giras!

Fiquem com os vídeos dos lookbooks respectivos, estão uma graça!







CherryPapaya Kids from CherryPapaya Kids on Vimeo.

domingo, 13 de abril de 2014

{15/52}


O mano grande cada vez gosta mais do maninho, e o maninho cada vez gosta mais do mano grande.

Aos olhos do Pedro, o Miguel é cada vez mais reactivo, cada vez se ri mais, reage mais, está mais rijo. Aos olhos do Miguel, o Pedro é cada vez mais interessante, estimulante, exemplar. Os dois já brincam um com o outro, é muito giro!

A portrait of my children, once a week, every week, for 2014.

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Tipos de carteiras

Fica a partilha, é sempre bom conhecer o glossário de carteiras e bolsas:


The Handbag



Explore more visuals like this one on the web's largest information design community - Visually.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

Disto de estarmos velhotes e co-decadentes

A propósito dos vinte anos sobre o suicídio de Kurt Cobain, o nosso programador, um homem feito, portanto, confrontado com o nome Kurt Cobain, não fazia ideia de quem se tratava.

Não fazia ideia! Fiquei chocada. Os Nirvana em si passaram, graças à sua intrínseca coolness e literal teen spirit, a prova da passagem das décadas, mantendo-se a sua música um tesourinho para aqueles teens que querem ser tão à frente que conhecem cenas bué antigas (será que estas expressões ainda são jargão teen?). Tipo a nossa geração e The Doors. Mas o próprio do Kurt, já era...
Os meus preferidos desses tempos, Pearl Jam, como ainda por cá andam, não esquecem, mas ao nosso querido programador, mais uma vez, a obra-prima Ten tinha passado ao lado. Até hoje, pois estou em crer que já foi devidamente envagelizado, mas ainda assim... fico chocada.

Não tanto pelo desconhecimento, mas por já lá irem 20 anos, e essa passagem do tempo ser tanta que já nem obriga ninguém a estar "actualizado". Já lá vão vinte anos, a actualização é agora.

E com isto, lá vai mais um duro baque no meu próprio envelhecimento. Eu sempre achei o meu marido um exageradão, e gozava imenso com ele, porque ele há muito se queixa dos mais novos que o rodeiam e cujas datas de nascimento o deprimem profundamente. Mas já estou a ver que ele apenas foi confrontado com essa realidade mais cedo do que eu. Porque estarmos a falar tu cá tu lá, com malta que nasceu em 1990 e adiante apenas nos lembra o quanto estamos velhotes. E isso é deprimente. Talvez daqui a dez anos já seja algo que "nos mantém novos", mas para já, para já, deixa-nos deprimidos mesmo.

De facto, eu definitivamente já nunca sou "a mais nova" em determinada situação, pelo contrário, muitas vezes arrisco-me a ser "a mais velha". Ao ver os Oscares deste ano, só me ocorria que esta ou aquela actriz estavam a ficar velhotas, que já se notavam os anos, que já estavam diferentes, mas espera, elas não eram muito mais velhas do que eu! Os meus cabelos brancos já abundam, a minha pele, as minhas feições (sim!) já não são as mesmas. Eu vejo-me em fotos acabadas de tirar e fico "oh man, estou mesmo a ficar velhota!" Os trinta são os novos vinte, mas as décadas passam na mesma, não vamos para novos.
É duro.

Ao menos não estou nisto sozinha, vamos todos juntos nesta cena do envelhecimento, que é para parecermos muitos. Como diz MEC, quem é meu co-decadente?



 

segunda-feira, 7 de abril de 2014

domingo, 6 de abril de 2014

§ 14/52 §


Quem é que já gosta muito de se sentar muito bem sentado um bocadinho de nada, quem é? Até cair para o lado... E já se senta na cadeirinha alta connosco à mesa? E já se passeia pela casa num carrinho bengala? Estamos como queremos, não é Sr. Miguel?



As primeiras calças rasgadas. Não estão rasgadas, estão esfrangalhadas! O que começou com um desfiado trendy num ápice rasgou-se em T, num encontro imediato com os pedais da bicicleta, deixando uma cratera enorme de joelho maroto à vista. Foi a primeira de muitas, receio.

A portrait of my children, once a week, every week, in 2014.

Meow

Eu comecei por não o fazer, agora estou mais descontraída, não lhe vejo mal na forma como o faço. Mas, para quem não queira postar o seu rosto ou o dos outros na www, mas ainda assim quer fazer sair aquela foto gira cá para fora, ou simplesmente quer rir um bom bocado com o efeito super engraçado, aqui fica a app Meow, que providencia umas belas cabeças a quem não queira dar a cara. É a forma do pai aparecer por cá mais vezes, estou a ver!

Demais! 
Afinal, os animais são nossos amigos!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...